Causas relacionadas à hipertensão arterial

Várias são as causas que fazem oscilar a pressão arterial (P.A.) humana. A pressão arterial é medida em milímetros de mercúrio (mmHg).

É considerada como ideal a pressão arterial de uma pessoa quando ela está 120/80 mmHg, sendo 120 para a pressão sistólica e 80 para a diastólica. Medidas, contudo, de até 140 mmHg para a pressão sistólica e 90 mmHg para a pressão diastólica são aceitas como normais.

Valores, todavia, maiores do que 140 mmHg para a sistólica indicam hipertensão (pressão alta) e menores do que 120 mmHg indicam hipotensão arterial (pressão baixa).

 

Níveis de medição da pressão arterial (P.A.)

Se o índice da pressão arterial ultrapassar dos 14 por 9, aí ela é considerada alta. Quando, entretanto, os números variam entre 12 por 8 e 14 por 9, o quadro é chamado de pré-hipertensão, conforme consenso adotado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Para fazer a medição da pressão arterial é utilizado aparelho chamado esfigmomanômetro, posicionado em volta do braço, e outro aparelho, estetoscópio, para ouvir os sons do peito.

O primeiro número é registrado no momento em que o coração libera o sangue. Esta é a pressão sistólica, ou máxima (o recomendável é que ela não passe de 12 mmHg).

O segundo valor é a pressão diastólica, ou mínima (o ideal é que ela fique em torno de 8 mmHg). É o famoso 12 por 8.

 

Males causados pela pressão alta

A hipertensão pode levar à insuficiência cardíaca, aneurismas nos vasos cerebrais, além de causar o aumento do risco de acidente vascular cerebral (AVC).

De igual maneira, ela também pode atacar os rins e provocar, muitas vezes, ataques cardíacos ou lesões arteriais em outros órgãos do corpo.

Acontece que alguns fatores aumentam a pressão porque estreitam os vasos sanguíneos e acabam exigindo que o coração faça maior esforço para o sangue circular corretamente por todos os órgãos. Isto pode gerar dores no peito e na cabeça, fraqueza, tonturas, visão embaçada e até sangramento nasal.

 

Oscilação da P.A.

A pressão arterial varia ao longo do dia. Numa pessoa deitada, ela fica mais baixa. Quando a pessoa se movimenta, os valores sobem, porque o cérebro avisa que o corpo precisa de mais energia.

Principais causas da hipertensão arterial

A doença é herdada dos pais em 90% dos casos, mas, há vários fatores que influenciam os níveis de pressão arterial, caso, por exemplo, dos hábitos de vida.

Conheça algumas das principais causas da pressão arterial alta: tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas, obesidade, estresse, elevado consumo de sal, níveis altos de colesterol, falta de atividade física e dieta alimentar inadequada.

https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/hipertensao

 

Outras causas que geram hipertensão

Histórico familiar: filhos de pais hipertensos têm riscos maiores de terem pressão alta.

Idade: a partir dos 60 anos de idade, as artérias perdem a flexibilidade.

Etnia: a doença é mais prevalente na população negra e asiática.

Menopausa: a queda dos hormônios femininos danifica as artérias.

Poluição, sono irregular, diabetes e doenças renais são outras causas que geram a hipertensão.

Apneia do sono e o hipertireoidismo, de semelhante modo, também são geradores de hipertensão arterial.

 

Doença sem cura

Os sintomas da hipertensão costumam aparecer somente quando a pressão sobe muito, por isto, se trata de questão de extremo perigo à vida, já que a pressão alta não tem cura. Ela pode, sim, ser controlada.

 

Medição regular

Medir a pressão regularmente é a única maneira de diagnosticar a hipertensão. Pessoas acima de 20 anos de idade devem medir a pressão pelo menos uma vez por ano. Se houver casos de pessoas com pressão alta na família, a medição deve ser feita, no mínimo, duas vezes por ano.

Coração, órgão mais prejudicado pela hipertensão

Quando a pressão fica descontrolada, o coração é o órgão que mais sofre. Como a circulação fica prejudicada pelo aperto nas artérias coronárias, ele não recebe sangue e oxigenação suficientes, ou seja, o quadro leva ao sofrimento do músculo cardíaco, podendo ocasionar o infarto.

 

Pressão alta causa problemas ao cérebro

O acidente vascular cerebral (AVC), o popular derrame, é outra consequência frequente da hipertensão. Com as constantes agressões da pressão, as artérias da cabeça não conseguem se dilatar e ficam suscetíveis a entupimentos.

Os picos hipertensivos acabam servindo de estopim para um vaso ficar completamente obstruído ou, quando não se romper.

Além do derrame, a pressão alta provoca série de pequenas obstruções e hemorragias no cérebro.  Ao longo do tempo, estes episódios destroem os neurônios, quadro que é denominado de demência vascular e leva à perda de memória.

 

Hipertensão causa prejuízos aos rins

Os rins também deixam de filtrar o sangue a contento quando a hipertensão se instala por muito tempo, sendo que, inclusive, a falha pode provocar insuficiência renal.

 

Pressão alta prejudica a visão

A pressão alta interfere, igualmente, nos vasos que irrigam a retina, tecido no fundo do olho importante para a captação das imagens. É por isto que alguns hipertensos relatam sofrer de visão embaçada, turva.

 

Pressão alta na gravidez (hipertensão gestacional)

Durante a gestação, as alterações hipertensivas estão associadas a complicações graves fetais e maternas e, também, a riscos maiores de mortalidade materna e perinatal.

A hipertensão gestacional é a principal causa de mortalidade materna, além de ser a responsável por grande número de internações em unidades de tratamento intensivo (UTI).

Mulheres com hipertensão dentro da meta pressórica e com acompanhamento regular apresentam, geralmente, desfecho favorável. Mulheres com controle pressórico insatisfatório no primeiro trimestre de gravidez, todavia, têm risco consideravelmente maior de morbimortalidade materna e fetal.

 

Sinais e sintomas

Reforçando que a hipertensão é doença silenciosa, é preciso ter muitos cuidados com ela, pois, se os sintomas surgirem, ela já estará em fase avançada. O ideal, portanto, é detectá-la antes, através de medições e de exames médicos regulares.

Nunca é demais salientar que se a pressão sobe, o risco do surgimento de vários problemas de saúde aumenta.

 

Recomendações finais

Estilo de vida saudável influencia muito no controle da pressão arterial. Dar um basta ao sedentarismo, se valendo, especialmente, de atividades aeróbicas (caminhar, correr e nadar), promove a liberação de óxido nítrico, substância vasodilatadora e, com as artérias relaxadas, a tendência é a de que a pressão se mantenha mais baixa.

 

Assunto terá sequência

Em razão da importância, a abordagem sobre a hipertensão arterial terá sequência no próximo post. Até lá e boa saúde, mas, não esqueça:

Estilo de vida adequado ajuda a prevenir a pressão alta!