O que é preciso saber sobre o colesterol

Ao se falar sobre colesterol, muita gente já fica preocupada, senão assustada, mas, o colesterol tem duplicidade de valores no funcionamento do organismo humano.Uma parte do colesterol é boa; outra é ruim. Por isto, é preciso conhecer muito sobre o colesterol.

 

Assintomático, doença silenciosa

Colesterol alto não provoca sintomas, já que não causa cansaço, nem dor de cabeça, falta de ar, dor no peito, nem palpitação e nem prostração ou qualquer outro sintoma.

O colesterol alto é doença silenciosa.

Embora não apresente sintomas, o tratamento do colesterol alto exige mudanças no estilo de vida, caso de alterações na dietaalimentar, da prática de atividades físicas e, em alguns casos, do uso de medicação.

 

Possíveis sintomas de colesterol alto

Em geral, o colesterol alto não apresenta sintomas. Só é possível identificar o problema através do exame de sangue.

O excesso de colesterol, todavia, pode formar depósito de gordura no fígado que, em algumas pessoas, pode apresentar sinais como a xantelasma, (carocinhos de gordura na pele), o inchaço do abdômen sem aparente motivo, bem como o aumento da sensibilidade na região da barriga.

 

Definição de colesterol

O colesterol é lipídio constituído por álcool policíclico de cadeia longa, denominado de esteroide, encontrado nas membranas celulares e transportado pelo plasma sanguíneo.

Cardiologistas definem o colesterol como tipo de gordura que é fundamental para o bom funcionamento do organismo. Ter, contudo, os níveis de colesterol alto no sangue nem sempre é bom para a saúde, já que pode até gerar o aumento do risco de problemas cardiovasculares, caso, por exemplo, do infarto do miocárdio ou AVC (acidente vascular cerebral) que pode causar danos ao cérebro por causa da interrupção do fornecimento de sangue.

 

Causas de colesterol alto

Entre as principais causas do colesterol alto estão o histórico familiar, alimentação rica em gorduras e açúcar, consumo excessivo de álcool, cirrose; diabetes descompensada; alterações da tireoide (hipo ou hipertireoidismo), insuficiência renal e porfiria, (distúrbio resultante do acúmulo de determinadas substâncias químicas relacionadas às proteínas de glóbulos vermelhos) e o uso de anabolizantes.

 

Valores de colesterol a serem considerados

Por ser tipo de gordura produzida no organismo, o colesterol desempenha o papel vital de manter as células funcionando, de produzir hormônios e vitamina D.

O excesso de colesterol no sangue, contudo, pode aumentar o risco de doenças do coração, por isto, há a necessidade de se conhecer a questão do colesterol mais a fundo.

A única forma de se conhecer os níveis de colesterol é através do exame de sangue e, para definir se o colesterol alto é bom ou mal, demanda da interpretação de exame de sangue, pois, existem três valores do colesterol que devem ser avaliados:

Colesterol total: valor que indica a quantidade total de colesterol no sangue, ou seja, a quantidade de colesterol HDL + LDL.

Para circular pelo corpo, o colesterol se associa a proteínas, dando origem às lipoproteínas.

Existem dois tipos de lipoproteínas, o HDL (high density ou alta densidade) e o LDL (low density ou baixa densidade).

HDL: é conhecido como o tipo “bom” de colesterol, pois está ligado a uma proteína que o transporta do sangue para o fígado, de onde, caso esteja em excesso, é eliminado junto com as fezes.

LDL: é o popular colesterol “ruim”. Está ligado a uma proteína que o transporta do fígado para as células e as veias, onde se acumula e pode causar problemas cardiovasculares.

Se o colesterol total estiver elevado, mas os níveis de colesterol HDL (bom) forem superiores aos valores de referência recomendados, normalmente não indica grande risco de doenças, já que o excesso de colesterol será eliminado pelo fígado.

Se, porém, o colesterol total estiver alto, mas isto acontece por causa da presença de valor de LDL (ruim) superior aos valores de referência, o colesterol em excesso será armazenado nas células e veias, em vez de ser eliminado, ampliando o risco do surgimento de problemas cardiovasculares.

O colesterol LDL alto pode limitar o fluxo de sangue, aumentando o risco de ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral.

Níveis saudáveis de colesterol

A nova diretriz brasileira de dislipidemias e prevenção da aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia recomenda que o colesterol total tem que ser menor do que 190 mg/dl. O colesterol HDL (bom) precisa ser maior do que 40 mg/dl e o colesterol LDL (ruim)

menor do que130 mg/dl em pessoas com risco cardiovascular baixo.

Os valores de referência são para o perfil lipídico para adultos maiores de 20 anos.

Em outras palavras, segundo clínico-gerais, o colesterol total é considerado fora dos limites normais quando é igual ou superior a 190 mg/dL e/ou quando o colesterol bom (HDL) está abaixo de 40 mg/dL, tanto para homens, quanto para mulheres.

Tratamento do colesterol ruim

O tratamento do colesterol alto ruim (LDL) é feito com auxílio médico. Requer exames laboratoriais ou de imagem para o diagnóstico médico.

 

Dieta para reduzir o colesterol ruim​​​​​​

Indicada para pacientes que apresentam taxas elevadas de colesterol no plasma sanguíneo, dieta auxilia a controlar o risco. Acompanhe!

  • Manter adequado consumo de líquidos. Eles auxiliam o bom funcionamento do intestino.
  • Utilizar sal com moderação.
  • Eliminar frituras e dar preferência aos alimentos cozidos, assados ou grelhados.
  • Substituir o açúcar por adoçantes. Exemplos: xylitol (provém do álcool), stevia (planta), sorbitol (plantas marinhas), açúcar de coco, mel, xarope de ácer (seiva de árvore) ou eritritol (levedura).
  • Fazer exercícios físicos regulares, respeitando os limites do corpo.

Detalhe importante é o fato de que não se deve esquecer que as dietas são individualizadas, portanto, distintas.

 

Carboidratos só em doses certas

Por serem alimentos que se transformam em glicose com facilidade, alguns alimentos que produzem carboidratos devem fazer parte da alimentação, porém, com detalhe importante: na quantidade adequada.

Alimentos ricos em carboidratos, caso de arroz, pães, trigo, milho, massas, aveia, cereais, tubérculos (batatas, mandioca, etc.) e os açúcares (mel, frutose, doces, etc.) precisam ser consumidos com moderação, já que podem contribuir para a geração do colesterol ruim (LDL).

Os alimentos integrais e as fibras possuem papel importante na dieta alimentar saudável e os níveis de colesterol equilibrados.

Substituir os alimentos refinados, pelos integrais é uma escolha benéfica, não apenas para o colesterol equilibrado, mas para a saúde de todo organismo.

Alimentos que devem ser evitados

Extensa relação de alimentos precisa ser evitada para manter o colesterol em nível aceitável, saudável.

Margarina, manteiga, creme de leite, chantilly, leite integral, coalhada gorda ou queijos gordos (amarelos).

Toucinho, torresmo, bacon, salames, linguiça, presunto, apresuntado, mortadela, lombinho, salsicha e outros embutidos.

Carne de porco e carnes gordas (cupim, picanha, etc.), miúdos (miolo, rim, coração, fígado), frituras, creme de ovos, maionese e amendoim.

Excesso de massas, pães, tortas, bolos, biscoitos amanteigados ou recheados (bolachas).

Doces em geral (chocolate, balas, doces concentrados) e molhos industrializados.

 

Alimentos que são permitidos​​

A alimentação precisa ter o objetivo de regularizar os níveis de colesterol. Neste caso, portanto, é recomendado que a dieta seja formada por alimentos ricos em vitaminas e minerais, além de pouca quantidade de gordura.

Assim, é recomendado ter na alimentação alho, cebola, berinjela, água de coco, alcachofra, linhaça, pistache, peixe de escama e amêndoas.

Também pães integrais, cereais, frutas, verduras, óleos e gorduras saudáveis.

 

Fontes de colesterol

O colesterol está presente apenas nos alimentos de origem animal, que são ricos em gorduras saturadas. Alimentos de origem vegetal não contêm colesterol.

Gordura boa é encontrada no azeite de oliva, no abacate, em nozes, na linhaça, na sardinha e no salmão.

Gordura ruim está presente na pele de aves, em queijos amarelos, em embutidos, na maionese, no leite, na carne vermelha e em frituras.

 

Dica

Os fitoesteróis presentes em alguns alimentos de origem vegetal são substâncias que contribuem para a redução de colesterol quando associados à dieta equilibrada e ao estilo de vida saudável.

 

Outras causas de colesterol

O consumo de gordura saturada é a principal causa do colesterol elevado. Outros fatores, no entanto, podem, igualmente, influenciar nos níveis de colesterol no sangue.

São os casos, por exemplo, de anabolizantes, de cigarro, de bebidas alcoólicas, idade, diabetes, etnia e de condições hereditárias (hipercolesterolemia familiar)

ATENÇÃO!

Pessoas com diagnóstico de hipercolesterolemia familiar – colesterol alto de origem hereditária – devem, obrigatoriamente, tratar o problema com medicamentos.

https://www.ladoaladopelavida.org.br/colesterol-o-que-e-doencas-autoadquiridas

 

Coisas que se precisa saber sobre o colesterol

 Mesmo que muitas pessoas julguem o colesterol uma substância maléfica é preciso saber que ele é importante para o funcionamento do corpo humano. Para que isto ocorra, no entanto, os níveis devem estar sempre controlados.

Conheça dicasfundamentais sobre o colesterol.

  • Colesterol é necessário ao organismo: é tipo de gordura que faz parte da estrutura das células do cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos e coração. É essencial, portanto, para o bom funcionamento destas células. Além disto, é importante também para a formação de hormônios, vitamina D e até os ácidos biliares, que ajudam na digestão das gorduras da alimentação.
  • Excesso de colesterol ruim é que causa infarto e AVC: o colesterol circula no sangue ligado a lipoproteínas, chamadas de colesterol bom (HDL) e colesterol ruim (LDL). O excesso de LDL está associado às doenças cardíacas. Já o excesso de colesterol bom (HDL), por sua vez, até protege das doenças cardíacas. Por isto, quando se mede o colesterol total no sangue é preciso, sempre, saber o quanto se deve ao colesterol bom e o quanto se deve ao ruim. Só o ruim precisa ser tratado.
  • O excesso de colesterol ocorre por fatores genéticos e alimentares: em torno de 70% do colesterol no sangue são originários do fígado e apenas 30% da alimentação. Depois de passar pela circulação sanguínea, o colesterol precisa ser removido novamente pelo fígado para formar bile. Os níveis de colesterol no sangue dependem, portanto, da capacidade do fígado em removê-lo. Isto varia de pessoa para pessoa.

 

Outras coisas importantes sobre colesterol

  •  Pessoas magras também podem ter colesterol alto: importante se torna saber que ter excesso de peso não significa, necessariamente, ter colesterol alto. Pessoas magras também têm colesterol alto. Isto acontece porque os níveis de colesterol no sangue dependem da taxa de remoção do colesterol pelo fígado, questão que é genética. Se o indivíduo tiver parente de primeiro grau, por exemplo, pai, mãe ou irmãos com colesterol alto, a chance de ele ter colesterol alto é maior.
  • Colesterol ruim forma ateroma (placas compostas por lipídeos e tecido fibroso que se formam na parede dos vasos sanguíneos): o excesso de LDL (colesterol ruim) causa doenças vasculares porque ele se deposita, sem dar sintomas, na parede interna das artérias e aos poucos vai formando placas chamadas ateromas. Elas vão obstruindo gradualmente as artérias e podem acabar causando infarto agudo do miocárdio e/ou AVC.
  • Importante controlar outros fatores de risco: são necessários muitos anos para que uma placa de ateroma se desenvolva, mas, quanto mais avançada a idade da pessoa, maior é o risco. É muito importante, então, manter também os outros fatores de risco tradicionais bem controlados. Além dos níveis de LDL, portanto, é preciso controlar a glicose, a pressão arterial, parar de fumar e manter o peso em nível ideal.

 

Demais coisas importantes sobre colesterol

  •  Manter estilo de vida saudável: trata-se de questão de suma importância manter vida saudável porque é fundamental na redução do risco de infarto e de AVC. Fugir do sedentarismo, evitar comer alimentos com gordura saturada e não fumar são medidas importantes que precisam ser seguidas.
  • Alimentos que mais aumentam o colesterol ruim:

a gema de ovo, o bacon, a pele da carne de aves, a manteiga, a margarina, o creme de leite, a nata, as frituras, as salsichas, embutidos e as carnes figuram como líderes na relação dos alimentos que precisam ser evitados, porque são eles que mais contribuem para a geração do colesterol LDL.

  • Pessoas acima de 10 anos de idade precisam dosar o colesterol: os adultos e crianças a partir de 10 anos devem dosar o colesterol e suas frações regularmente. Se os níveis forem elevados, é preciso consultar endocrinologista para definir o risco cardiovascular individual e planejar tratamento.
  • Tratamento do colesterol é preventivo e permanente: o tratamento do colesterol deve ser preventivo e por toda a vida. A finalidade é reduzir o risco cardiovascular. De nada adianta tratar por algum período e depois abandonar o tratamento, pensando em cura, pois, na verdade, não é buscada a cura, mas, sim, o controle, que pode ser feito por medidas de estilo de vida ou por medicamentos.
  • O tratamento do colesterol reduz a mortalidade: as estatinas são as medicações mais importantes no controle do colesterol. O tratamento reduz a mortalidade. A cada 40mg/dL de colesterol LDL reduzido, a mortalidade por infarto é reduzida em 20%. Quanto mais alto for o nível do colesterol, portanto, maior importância adquire o tratamento.

 

Medicação associada à mudança de estilo de vida

A medicação para controle do colesterol deve ser combinada com mudança no estilo de vida. Dieta variada, com pouca gordura de origem animal e exercícios físicos regulares são fundamentais.

É importante baixar o colesterol alto porque ele pode ter graves consequências para a saúde que incluem aterosclerose, pressão alta, insuficiência cardíaca e infarto.

https://www.tuasaude.com/sintomas-de-colesterol/