Frutas secas, sabor e tradição do Natal

 

As frutas secas representam tradição que é bastante usada por ocasião dos festejos natalinos. São, na verdade, sabor e tradição do Natal.

 

Fruta seca é a que foi secada naturalmente ou por meio de processo industrial. Passas, ameixas e tâmaras são os exemplos de frutas secas mais populares. Há, todavia, outras frutas que costumam ser consumidas secas. São os casos, por exemplo, de cocos, maçãs, damascos, bananas, oxicocos (cranberry), figos, kiwis, mangas, pêssegos, peras, caquis, abacaxis, morangos e tomates.

Além de frutas inteiras, purê de frutas também pode ser secado, em camadas.

 

Oleaginosas

 

Integra, igualmente, a tradição da época natalina, o consumo de frutas oleaginosas, caso de nozes, castanhas, amêndoas e tâmaras, entre outras.

 

Origem do costume de usar frutas secas e oleaginosas

 

A tradição natalina de usar frutas secas e oleaginosas vem do tempo do império romano (27 a.C. – 476 d.C.). Na época da Roma antiga, era costume ofertá-las como presente a parentes e a amigos com o objetivo de desejar-lhes sorte, prosperidade e fartura.

De lá pra cá, contudo, muita coisa mudou, mas, a presença delas nas comemorações de fim de ano ainda é bastante evidente.

 

Sabor e tradição do Natal

 

Frutas secas e oleaginosas como nozes, castanhas, avelãs e amêndoas fazem parte de muitas celebrações há muito tempo.

Na atualidade, elas são usadas com fartura na ceia de Natal e também do ano novo.

Nozes, avelãs, amêndoas, ameixas, uva passa, damasco e tantas outras podem ser consumidos como petisco, em pratos doces e salgados, bem como comporem a decoração.

Além disto, ainda, oferecem benefícios à saúde.

Em geral este tipo de frutas é rico em vitaminas do complexo B, fundamentais para o perfeito funcionamento do sistema neurológico.

Algumas frutas, caso do damasco, por exemplo, também possuem vitamina A, útil para a qualidade da visão.

Outras, ainda, como a ameixa, são fonte de fibras, que favorecem o perfeito funcionamento do intestino.

 

Vida útil de frutas desidratadas

 

Mesmo que não seja exposta à refrigeração, a secagem conserva a fruta, aumentando, significativamente, a vida útil dela.

Quando uma fruta fresca não está disponível, muitas vezes por estar fora da época, a fruta seca (desidratada) é alternativa interessante.

Comumente, as frutas secas costumam ser adicionadas a misturas assadas ou, então, a cereais.

 

 

 

 

Manutenção das propriedades

 

Da mesma forma como a fruta fresca, a fruta seca também é rica em vitaminas A, B1, B2, B3, B6, ácido pantotênico e sais minerais (cálcio, ferro, magnésio, fósforo, potássio, sódio, cobre, manganês).

 

Perda de água

 

O processo de desidratação pelo qual passam as frutas que são secadas pode gerar a perda de até sete oitavos (7/8) do total de água.

Em função do processo, as frutas secas têm sabor mais forte do que as frescas.

O prejuízo, no entanto, do processo de secagem de fruta é o de que ele destrói a maior parte da vitamina C presente nela.

 

Adoção de cuidados

 

Frutas secas preparadas comercialmente podem conter dióxido de enxofre, que, por sua vez, pode provocar asma em indivíduos suscetíveis, mas, (felizmente) frutas secas sem o dióxido de enxofre já estão disponíveis no mercado.

O dióxido de enxofre é adicionado para proteger a cor e o sabor da oxidação.

Frutas secas orgânicas são produzidas sem o uso do dióxido de enxofre, resultando em fruta mais escura e em sabor mais oxidado, (parecido com o gosto de chá seco).

https://prosaudelojas.com.br/queda-de-cabelo-pode-ser-tratada-e-ateprevenida/

Ajustes na cor da fruta seca

 

A cor de algumas frutas secas também pode ser ajustada até certo ponto, com pouco impacto no sabor, através do tratamento de frutas frescas recém-cortadas com preparado rico em vitamina C (mistura de água e suco de limão) alguns minutos antes de iniciar o processo de secagem.

 

Melhor conservação

 

Atualmente, está ocorrendo tendência crescente da venda de frutas secas “prontas para comer”. Trata-se de frutas que são armazenadas em embalagens fechadas a vácuo para melhor preservá-las.

Ameixas e damascos, por exemplo, preparados desta forma, não guardam a textura característica da fruta seca da maneira tradicional.

 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Fruta_seca

Toque especial ao cardápio

 

Embora não exista mais o costume de dar amêndoas e/ou frutas secas para familiares e amigos, como o faziam os romanos, elas continuam sendo usadas. Atualmente, todavia, as amêndoas são utilizadas como ingredientes da comida para conferir toque especial ao cardápio das festas.

Muitas pessoas usam as frutas secas e as oleaginosas como aperitivo, prato principal e até para a sobremesa.

Além disto, elas permitem variação incrível de receitas: saladas, risotos, tortas, quiches, acompanhamento de carnes, mousses, bolos doces e salgados, além de outros tipos de alimentos.

Muito mais do que dar sabor diferente aos pratos, as frutas secas são, igualmente, alimentos funcionais que proporcionam nutrientes essenciais para o organismo.

Em outras palavras, isto significa que a refeição de Natal (ceia, principalmente) é muito mais nutritiva do que muita gente imagina.

 

Tesouros gastronômicos

 

Pelas propriedades que têm tanto as frutas desidratas quanto as oleaginosas já se tornaram carinhosamente conhecidas como pequenos tesouros gastronômicos. Aliás, há especialistas em Nutrição que recomendam que o uso destes tesouros não aconteça apenas por ocasião das festas da época de final de ano, mas, sim, devem ser aproveitados durante todos os demais dias do ano, usando-os no cardápio diário.

 

Frutas oleaginosas

 

São assim chamadas por conterem óleos e gorduras na composição.

Por serem ricas em ômega 3, 6 e 9, auxiliam a redução dos níveis de colesterol no sangue.

Além disto, possuem fitoquímicos, substâncias que ajudam a fortalecer o sistema imunológico, além, ainda, de vitaminas e minerais, caso, por exemplo, do selênio e da vitamina E, antioxidantes que eliminam os radicais livres responsáveis pelo envelhecimento do organismo. Para quem sofre cãibras com certa frequência, algumas destas frutas são excelentes aliadas no combate às crises, pois, contêm potássio e magnésio.

Manutenção de níveis de glicose no corpo

 

As frutas oleaginosas apresentam, igualmente, outra vantagem importante, uma vez que mantêm estáveis os níveis de glicose no organismo.

Ademais, ajudam a prevenir série de problemas de saúde, caso das dores em articulações, da perda de memória, de alterações hormonais, de problemas cardiovasculares e da fraqueza de unhas e cabelo, entre outros.

Os benefícios das oleaginosas não param por aí porque possuem mais vantagens, já que fornecem excelente dose de energia para as atividades diárias.

 

  • Amêndoa

Estudo comprovou que o consumo de pequena porção de amêndoa reduz em 50% as chances de a pessoa sofrer ataque cardíaco.

O fato se deve aos ácidos graxos, ou “gorduras boas” da oleaginosa, uma vez que protegem as paredes e as estruturas das artérias.

São estas mesmas gorduras do bem, a propósito, que auxiliam a redução do açúcar no sangue.

Já o fósforo presente na amêndoa fortalece os dentes e os ossos.

 

  • Avelã

Pelo fato de conter cálcio, fósforo, potássio, vitamina E, cobre, fibras e proteínas, a oleaginosa é incrível provedor de nutrientes. E, para completar, igualmente possui ômega 3, que age para prevenir doenças cardiovasculares.

 

  • Castanha-de-caju

Com gorduras mono e poli-insaturadas, a castanha contribui para a diminuição do colesterol ruim (LDL) e, ao mesmo tempo, para o aumento do colesterol bom (HDL).

Destaque precisa ser dado aos nutrientes que ela possui, caso do fósforo, que dá força a ossos e dentes, e, do zinco, que atua na manutenção das defesas do organismo.

 

 

 

  • Nozes

Pequena porção de nozes resolve o problema da falta de energia. Este não é, todavia, o único benefício da fruta, já que ela possui fitoesteróis, que melhoram a circulação sanguínea e evitam o entupimento das artérias, protegendo o coração e baixando o colesterol.

Além disto, as nozes têm a capacidade, igualmente, de cuidar do sistema nervoso.

Contêm, ainda, vitaminas E e do complexo B, potássio e aminoácidos.

 

  • Castanha-do-pará

Em conjunto com o ômega 3, a oleaginosa possui selênio, mineral que exerce função dupla, já que é antioxidante, que elimina impurezas do corpo, e, ainda, trabalha para a redução dos níveis de mau colesterol (LDL) no sangue.

 

  • Pistache

É considerada como a rainha dos antioxidantes entre as frutas oleaginosas porque tem betacaroteno, luteína e fitoesteróis, que, ao entrarem na circulação sanguínea, combatem doenças cardiovasculares e eliminam radicais livres.

Fornece, ainda, fibras, vitamina E, selênio, cálcio, potássio, ferro, magnésio e proteínas.

https://prosaudelojas.com.br/a-saude-emocional-e-os-problemas-cardiacos/

Benefícios das frutas secas

 

Conhecidas, também, como frutas desidratadas, as frutas secas possuem elevadas quantias de fibras que, além de fazerem o intestino funcionar melhor, igualmente contribuem para melhorar os níveis de açúcar e de gordura no sangue, atuando como prevenção contra doenças cardiovasculares, câncer e diabetes.

Desempenham, ainda, a função de gerar sensação de saciedade que, por sua vez, leva a evitar a comilança desenfreada.

Vitaminas A e do complexo B, ferro e selênio também estão presentes nas frutas desidratadas. Destaques, contudo, ficam para o potássio e o magnésio, (excelentes para a saúde dos músculos), e, ainda, para o cálcio e para a vitamina D, (essenciais para a boa manutenção dos ossos).

Para quem pratica exercícios físicos, a recomendação é a de investir nestes nutrientes.

 

Ingredientes da ceia natalina

 

Tal como ocorre com as oleaginosas, as frutas secas também fazem parte de muitas receitas natalinas, na produção de saladas, de farofas, de tortas e quiches, de purês, de cuscuz, de pudins, de bolos doces e salgados.

Conheça a relação das principais frutas secas mais empregadas na época do Natal.

 

  • Ameixa preta

Bastante usada para combater a prisão de ventre, também é utilizada para prevenir a osteoporose.

Pelo fato de conter altas quantidades de vitaminas do complexo B, previne o aparecimento de doenças como a aterosclerose, a artrite e o reumatismo.

O fósforo presente na fruta ajuda a cumprir a missão de melhorar a memória.

 

  • Damasco

Usada bastante por atletas, o damasco representa ótima fonte de energia para quem se exercita regularmente.

Pelo fato de conter baixo índice glicêmico, o fruto pode ser consumido antes de treinos e de caminhadas, por exemplo.

O sabor é outra vantagem, já que ameniza a compulsão por doces.

Apresenta, ainda, outros benefícios, porque contém ferro e fibras, bem como, boas doses de vitamina A, que dá força ao sistema imunológico, aos ossos e à pele.

Outra substância benéfica do damasco é o licopeno, que previne o aparecimento de alguns tipos de câncer.

*(Conheça mais sobre o damasco, adiante, neste post).

 

  • Tâmara

É recomendada para quem sofre de problemas intestinais, pois as fibras têm leve efeito

laxante.

Possui, igualmente, flavonóides, substâncias que previnem infecções e inflamações e ajudam a baixar os níveis de colesterol.

Tem, ainda, altas quantias de antioxidantes, ferro, vitamina A e potássio. Por esta razão, portanto, é bastante indicada para quem tem hipertensão arterial ou sofre constantemente de cãibras.

 

  • Uva passa

É recomendada, igualmente, para atletas porque fornece energia para a prática de exercícios físicos.

Possui fibras que eliminam toxinas e melhoram o funcionamento do intestino.

De igual modo, contém cálcio, que gera saúde para os ossos e os dentes.

A uva, por ser fonte de polifenóis, que possuem ação antioxidante e anti-inflamatória, evita o desenvolvimento de infecções e de doenças como o câncer.

Com altas quantidades de ferro e cobre, a fruta auxilia o corpo na produção de glóbulos vermelhos, prevenindo a anemia.

E, tem mais: a presença de ácido oleanólico nas passas faz com que elas ajam, também, na prevenção de cáries e de gengivites.

 

Elevado teor calórico

 

Mesmo que as frutas secas e as oleaginosas apresentem muitos benefícios, é preciso, no entanto, prestar atenção a um detalhe importante: todas possuem alto teor calórico. Isto significa, em outras palavras, que as porções a serem consumidas precisam ser moderadas.

Importante atentar para o fato de que os benefícios destas frutas aparecem com o consumo frequente, e, não com a ingestão de altas doses em alguns dias.

Frutas secas e oleaginosas podem ser adotadas, sem medo, na dieta diária após as festas de fim de ano, mas, sempre tendo o cuidado de preparar pequenas porções. A dica é fazer um mix delas, para variar os sabores.

 

https://blogamelhorescolha.com/oleaginosas-e-frutas-secas-do-natal-para-o-cardapio-do-ano-todo/

Frutas secas regulam o intestino 

 

As frutas secas, como todos os demais alimentos, precisam ser consumidas com moderação, já que, no processo de desidratação, o açúcar fica concentrado e, por isto, elas se tornam mais calóricas.

Encontradas em pequenas embalagens nos supermercados ou à granel, as frutas secas, caso do damasco, da uva passa, da ameixa, da maçã e de tâmaras, vão muito além do sabor.

Beneficiam a saúde porque possuem elevado valor nutricional, gerando vantagens para o organismo, além, é evidente, do fato de que ainda podem ser aliadas à perda de peso quando consumidas da forma correta.

Há quem use as frutas secas para substituir docinho quando está de dieta, mas, é preciso ter cuidado, porque, apesar de serem deliciosas, as frutas secas não devem ser consumidas em excesso porque possuem mais calorias do que as frutas comuns, in natura. Isto, porque elas passaram por processo para eliminar a água, concentrando os açúcares naturais, tornando-as mais doces.

Fator positivo é que o processo de secagem também concentra os nutrientes, fazendo com que as propriedades nutricionais permaneçam intactas mesmo após a desidratação.

https://prosaudelojas.com.br/cuidados-com-a-saude-na-primavera/

Opções para lanches intermediários

 

As frutas secas, por gerarem muitos benefícios e serem saborosas, representam, ainda, excelente opção por servirem como lanches intermediários, já que são práticas e fáceis de serem levadas na bolsa.

Além do mais, ajudam a não comer alimentos prejudiciais à saúde.

A fruta desidratada também ajuda a quem tem intestino preguiçoso.

Disponibilidade durante todo o ano

 

Usadas para darem um toque especial às refeições com o sabor agridoce, as frutas secas, cristalizadas e as oleaginosas apresentam grandes vantagens porque estão disponíveis o ano inteiro.

Outro ponto positivo é que estes alimentos, geralmente, têm validade de até seis meses, sem a necessidade de serem mantidos em geladeira.

São boas porque “matam” a vontade de comer doces, sem fugir da dieta.

 

https://www.conquistesuavida.com.br/noticia/8-beneficios-das-frutas-secas-elas-regulam-o-intestino-e-ate-ajudam-na-dieta_a3306/1

Diferença entre fruta in natura e seca

 

A quantidade de água na composição é a principal diferença entre a fruta seca ou desidratada e a fruta in natura.

As frutas secas apresentam maior quantidade de calorias e nutrientes porque estão mais concentrados.

Já nas frutas in natura, as calorias e os nutrientes estão diluídos devido à maior quantidade de água.

 

Risco de engordar

 

Caso não haja moderação no consumo, as frutas secas podem ser nocivas à alimentação que objetive perder o peso.

Como as frutas secas são mais leves, há a tendência da ingestão ser em maior quantidade em relação às frutas in natura.

Ademais, há o fato de que muitas frutas desidratadas, para aumentarem o tempo de conservação, recebem a adição de açúcar refinado, fazendo com que o valor calórico delas aumente bastante.

Quem tem, portanto, a preocupação em manter o peso, deve tomar cuidado ao se tratar do consumo de frutas secas ou cristalizadas.

Vantagens e desvantagens da desidratação

 

Atenção para o fato de que o processo de desidratação faz com que os nutrientes (carboidratos, fibras, vitaminas e minerais) fiquem concentrados.

Nutrientes termossensíveis como, por exemplo, a vitamina C, no entanto, estão mais presentes nos alimentos in natura, aspecto que é perdido por ocasião do processo de desidratação.

 

http://www.dietaesaude.com.br/temas/alimentacao/13972-entenda-a-diferenca-entre-a-fruta-in-natura-e-a-desidratada

Frutas cristalizadas

 

As frutas cristalizadas têm a água retirada pelo método da cristalização. Por convenção, elas entrariam no rol das secas.

São mais conhecidas por serem acrescentadas ao panetone, mas, também, podem compor farofa, dando-lhe sabor adocicado.

 

Reidratação

 

Frutas secas podem ser reidratadas, de acordo com a receita. O damasco, por exemplo, na farofa pode ser usado em tiras; já no arroz, pode ser usado seco porque vai ficar mais amolecido com a cocção do cereal.

A uva passa, bem como as demais frutas secas, podem ser reidratadas em água saborizada, quando forem ingredientes de bolo seco, por exemplo. Quando, todavia, forem usadas em salpicão, prato úmido, não precisam de reidratação.

Nuts

 

Castanhas e nozes podem ser consideradas frutas secas por causa da textura.

As nozes e as castanhas (de caju e do Pará) podem ser servidas como petiscos, passando pelo prato principal, e, terminando na sobremesa.

 

Benefícios do damasco para a saúde

 

Para conhecer a importância do damasco, por exemplo, acompanhe a série de propriedades que ele oferece à saúde.

  • Ácido elágico: composto que reduz os danos causados pelos carcinógenos, como as toxinas ambientais, inibindo o crescimento das células cancerígenas.
  • Betacaroteno: carotenóide com elevado poder antioxidante, ligado à prevenção de câncer e à estimulação do sistema imunológico.
  • Ferro: o fruto seco contém ferro, importante mineral por desempenhar diversas funções no organismo, sendo que a deficiência dele, por consequência, causa anemia e cansaço.
  • Licopeno: antioxidante que previne o câncer de próstata e de mama, além, ainda, de reduzir os níveis de LDL – colesterol “mau”.
  • Outros benefícios

Pectina: fibra solúvel útil para diminuir os níveis de LDL (que causa obstrução de artérias), reduzindo o perigo de doenças cardiovasculares.  Ajuda, ainda, a manutenção dos níveis glicêmicos.

  • Potássio: mineral útil para ajudar a controlar a pressão arterial, além, ainda, de auxiliar a manutenção saudável de músculos e de nervos.
  • Prevenção ao câncer: as sementes do damasco combatem o câncer por causa do teor de laetrila (vitamina B1). Os antioxidantes encontrados no fruto auxiliam a proteção do corpo dos radicais livres e dos danos que eles podem causar às células e ao DNA. Além disto, a laetrila possui potencial para combater o câncer, porque elimina células cancerosas, sem efeitos colaterais.
  • Rico em antioxidantes: excelente fonte de vitamina C e vitamina A.
  • Saúde do coração: o betacaroteno previne o aparecimento de doenças cardiovasculares. Ajuda, igualmente, a evitar a oxidação do colesterol LDL e a desintoxicar o sangue.
  • Rico em fibras: O elevado teor de fibras encontrado no damasco é primordial para a saúde do cólon. As fibras são, ainda, e ao mesmo tempo, excelentes para a melhora da digestão.
  • Olhos: o consumo de porções de damasco por dia, por exemplo, auxilia a prevenção de doenças oculares relacionadas à idade, como é o caso da degeneração macular.
  • Sangue: Em razão da alta quantidade de ferro e de cobre, o damasco contribui para a formação da hemoglobina.
  • Pele: O óleo de damasco é altamente benéfico para a pele, capaz, inclusive, de aliviar sintomas de doenças como eczema e sarna.
  • Melhora do trânsito intestinal: por ser ótima fonte de fibras, o damasco favorece o trânsito intestinal. A melhor opção de consumo é incluir o damasco nos lanches intermediários. Outra opção é fazer um mix, combinando a fruta com sementes e oleaginosas como castanhas, nozes, semente de abóbora. O consumo destes elementos reforça ainda mais o aporte de nutrientes necessários para a alimentação equilibrada.

Recomendação de cuidados

 

Nesta época do ano (como em todas as demais) importante não é somente atentar para os preços dos produtos, mas, sim, e, principalmente, observar a qualidade das frutas, dos legumes e das verduras em geral.

Os padrões valem, sobretudo, para as frutas importadas para as festas de final de ano. Elas não podem estar amassadas, podres, e, muito menos, não serem suficientemente desenvolvidas ou apresentarem outros problemas.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) definiu normas específicas para hortifrutigranjeiros com padrão visual para abacate, alface, banana, batata, caqui, laranja, mamão, manga, melão, melancia, maçã, uva, morango, nectarina, pêssego, tangerina e tomate.

Segundo o referido ministério (Mapa) os padrões estabelecem os requisitos para que uma fruta, verdura ou legume seja considerado próprio para o consumo.

Objetivo da iniciativa

O objetivo é auxiliar o consumidor e os fiscais a identificarem eventuais produtos não-recomendáveis ao consumo.

Os citados padrões cumprem a instrução normativa Mapa nº 69/2018, que estabelece que os produtos têm que estar inteiros, limpos, firmes, sem pragas visíveis a olho nu, fisiologicamente desenvolvidos, com maturidade comercial. Não podem ter odores estranhos, estarem excessivamente maduros ou passados, apresentarem danos profundos, terem podridão, estarem desidratados, murchos ou congelados.

Alimentos tradicionais do Natal

 

Já que estamos falando sobre alimentos da ceia natalina, se torna oportuno abordar os dois alimentos (peça de resistência, prato principal) mais tradicionais da ceia natalina (além, é claro, dos acompanhamentos, casos das frutas secas, das oleaginosas e do panetone), uma vez que, pelo menos um deles estará presente na sua mesa neste Natal. Não é verdade?

 

  • Peru

Tradição cultivada nos Estados Unidos desde 1621, quando a ave era muito comum na região criada por índios norte-americanos e consumida no Dia de Ações de Graças (um dos principais feriados nacionais dos EUA e do Canadá que, neste ano foi comemorado no dia 26 de novembro) por ser símbolo de abundância e de fartura.

No Brasil, o peru é apreciado desde a época colonial (século XVI), sendo considerada ave nobre.

É carne macia, magra e fonte de proteínas.

 

 

 

  • Bacalhau

Os vikings foram os primeiros a pescarem o bacalhau. Isto, no século IX, e, como não havia o sal, o peixe era secado ao sol até ficar duro para, assim, resistir às viagens. Hoje, é preparado em salmoura.

Veio ao Brasil à época do descobrimento (1500).  Após a Segunda Guerra Mundial (setembro de 1945), com a escassez de alimentos na Europa, o bacalhau se tornou caro e passou a ser usado apenas em festas, principalmente as cristãs, caso do Natal e da Páscoa.

Peixe de águas frias, o bacalhau é de digestão fácil, rico em proteínas, vitaminas A, E e do complexo B. Possui ômega 3 e é muito rico em sódio por causa da forma de conservação.

 

  • Panetone

Várias são as teorias sobre o surgimento do panetone. Uma delas revela que a história do aparecimento deste pão doce com frutas cristalizadas surgiu em Milão, na Itália, na época da Idade Média (476 a 1453 d.C.). Um jovem nobre se apaixonou por uma plebeia, filha de um padeiro. O pai da moça não aceitava o namoro e o rapaz, para se aproximar da jovem e mostrar a seu pai que era pessoa de bem, se disfarçou de padeiro e foi trabalhar na padaria como auxiliar. Resolveu criar um pão diferente, doce, misturando frutas cristalizadas.

O pão ficou conhecido por ser muito gostoso e por sua forma diferenciada, copiando a cúpula de uma igreja. O pão fez muito sucesso e o jovem passou a divulgá-lo como invenção do senhor Toni, o pai da moça, ficando conhecido como Pão do Toni, que, em italiano, é dito “pane del Toni”, passando a panetone.

 

  • Frutas da época

Em muitas casas é comum encontrar a mesa da ceia de Natal enfeitada com bela e farta esta de frutas típicas da época. Ameixa, pêssego, cereja, abacaxi, lichia e uva compõem, geralmente, a cesta.

Frutas maduras e suculentas são ricas fontes de vitaminas, de minerais e de fibras. Podem ser consumidas não apenas como sobremesa, mas, também, como acompanhantes do prato principal, caso de ave (peru, chester, tender) com ameixas e cerejas.

 

Mesa pronta, ceia posta

 

A ceia que é servida no Natal, no Brasil, atualmente, resulta de influências do mundo inteiro, pois, muitas partes do universo contribuem para a cultura brasileira.

A ceia de Natal significa mesa farta em nutrientes, sabores, aromas e histórias.

 

http://nemdemaisnemdemenos.com.br/dicas-nutricionais/chegou-o-natal/